«

»

ago. 15 2012

Imprimir Post

SP: Justiça mantém decisão que declarou Ustra como torturador

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve na terça-feira a decisão de 2008 que declarou como torturador o coronel da reserva Carlos Brilhante Ustra. Por três votos a favor e nenhum contra, os desembargadores negaram recurso contra a sentença de primeira instância da 23ª Vara Cível de São Paulo que responsabiliza o militar pelas torturas cometidas no Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi).
Conheça desaparecidos da ditadura

O centro, que funcionava próximo ao Parque Ibirapuera, na zona sul paulistana, foi comandado por Ustra entre 29 de setembro de 1970 e 23 de janeiro de 1974. Os autores da ação, Maria Amélia Teles, o marido César Augusto Teles e a irmã Crimeia de Almeida foram presos em 1972 e torturados no DOI-Codi. “Eu acredito que a decisão fortalece a iniciativa da Comissão Nacional da Verdade, o governo no sentido de implementar a sentença de localização dos desaparecidos do Araguaia e nomear os agentes do Estado responsáveis pelos crimes imprescritíveis de lesa humanidade”, disse Maria Amélia.

Para um dos advogados da família Teles, Aníbal Castro de Sousa, a decisão demonstra que existem sanções possíveis aos agentes do Estado que cometeram crimes durante a ditadura militar (1964-1985). “Parecia que esses torturadores estavam imunes ao Judiciário, e não é verdade”, destacou.

Também responsável pela defesa da família, Fabio Konder Comparato, ressaltou que, de acordo com jurisprudência internacional, a Lei de Anistia de 1979 não impossibilita a punição de crimes como o de tortura. “Todos os tribunais de direitos humanos no plano internacional são unânimes em afirmar que crimes como esses, cometidos durante o regime militar, são insuscetíveis de anistia, são crimes contra a humanidade”, disse. Para ele, a decisão de hoje abre espaço para que outras ações semelhantes sejam bem-sucedidas.
O advogado do coronel Ustra, Paulo Esteves, declarou que entrará com um embargo de declaração no TJSP. Ele sustenta que o tribunal deve se posicionar claramente sobre quem tem a competência para declarar que agentes do Estado foram torturadores. Segundo Esteves, essa é uma atribuição exclusiva da Comissão Nacional da Verdade.

Fonte- Terra


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2012/08/15/sp-justica-mantem-decisao-que-declarou-ustra-como-torturador/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *