«

»

ago. 23 2012

Imprimir Post

Delator que entregou 192 companheiros quer indenização de R$ 100 mil

O período mais duro da ditadura militar, no início dos anos 70, os órgãos de repressão contaram com a colaboração de agentes duplos, infiltrados nas organizações de esquerda. Ex-militantes que trocaram de lado depois da tortura, esses agentes eram chamados de “cachorros”. O delegado do Dops, Sérgio Paranhos Fleury, se orgulhava da eficiência de seu “canil”, onde pontificava a figura de José Anselmo dos Santos, o lendário Cabo Anselmo. O comandante do DOI paulista, coronel Carlos Aberto Brilhante Ustra, teve pelo menos uma dezena de “cachorros”. O capitão Ênio Pimentel Silveira, torturador conhecido como “Dr. Ney” nos porões do DOI, manteve um “canil” com 12 agentes. Pois é justamente de um desses antigos grupos de “cachorros” que parece ter saído Gilberto Telmo Sidney Marques, ex-militante de esquerda que, desde 2008, reivindica uma indenização de R$ 100 mil por meio da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

Documentos confidenciais do Centro de Inteligência do Exército consultados por ISTOÉ mostram Gilberto Telmo como um colaborador eficiente. Ele fazia parte da Ação Libertadora Nacional (ALN), organização criada por Carlos Marighella, quando foi preso em janeiro de 1972 com um revólver 38 na cintura e identidade falsa. Um mês depois, prestava depoimento no DOI-Codi delatando nada menos de 192 pessoas. “Ele é o Cabo Anselmo da ALN”, acusa a auditora fiscal aposentada Maria do Carmo Serra Azul, uma das dezenas de militantes presas graças ao dedo indicador de Gilberto Telmo. “Ele não foi um militante que fraquejou sob tortura”, diz Maria do Carmo. “Foi um colaborador que passou para o outro lado.” Ela tinha 20 anos e era conhecida como Cacau quando foi presa em Fortaleza e entregue ao grupo de tortura comandado pelo delegado Fleury. Maria do Carmo conta que nas instalações da 10ª Região Militar, numa das sessões de afogamento, Fleury mandou que lhe tirassem o capuz. Foi chamado, então, Gilberto Telmo, que tentou convencê-la a colaborar com os militares. Dias depois, outro torturador, Otávio Gonçalves Jr., chefe do Comando de Caça aos Comunistas (CCC), teria confirmado para Maria do Carmo que Gilberto Telmo era o “delator convidado deles”.

O atual secretário de Desenvolvimento Agrário de Tabuleiro do Norte (CE), Jerônimo de Oliveira, também ex-militante da ALN, confirma as acusações de Maria do Carmo. “Este sujeito contava tudo, não exatamente sob tortura”, diz ele. Gilberto Telmo hoje é um professor aposentado e contesta os velhos companheiros. “Passei mais de um mês no DOI-Codi submetido à tortura física e psicológica”, alega. Ele diz que pretende doar o dinheiro que cobra da União ao Movimento Tortura Nunca Mais.

Fonte – Revista Istoé


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2012/08/23/delator-que-entregou-192-companheiros-quer-indenizacao-de-r-100-mil/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *