«

»

fev. 19 2013

Imprimir Post

Morre em SP homem torturado pela ditadura quando tinha 1 ano

Morreu no último sábado, em São Paulo, uma das mais icônicas vítimas da ditadura militar no Brasil. Carlos Alexandre

Carlos aos 3 anos, com os pais.

Carlos aos 3 anos, com os pais.

Azevedo, torturado no Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Deops) paulista quando tinha apenas 1 ano e 8 meses, em 1974, era filho do jornalista Dermi Azevedo, militante e um dos fundadores do Movimento Nacional dos Direitos Humanos (MDNH). Pelo Facebook, o pai de Carlos Alexandre afirmou que seu filho tirou a própria vida por não suportar o trauma vivido na infância.
No dia 14 de janeiro de 1974, Carlos Alexandre e sua mãe foram levados à sede do Deops de São Paulo, onde Dermi estava preso. “Cacá, como carinhosamente o chamávamos, foi levado depois a São Bernardo do Ca

mpo, onde, em plena madrugada, os policiais derrubaram a porta e o jogaram no chão, tendo machucado a cabeça. Nunca mais se recuperou. Como acontece com os crimes da ditadura de 1964-1985, o crime ficou impune. O suicídio é o limite de sua angústia”, disse o pai em seu perfil na rede social.
Segundo Dermi, Carlos Alexandre ficou com sequelas após a tortura. “Ele passou a ter quase uma paranoia, adquiriu um transtorno psicológico que os psiquiatras chamam de fobia social”, afirmou, em entrevista ao Terra. Devido a seu quadro clínico, o filho do jornalista era submetido a tratamentos com antidepressivos e antipsicóticos. No último sábado, uma overdose dos medicamentos pôs fim à vida de Carlos Alexandre.
“Eu considero que o meu filho foi suicidado, e não se suicidou. Ele foi tão maltratado pela ditadura que acabou tirand

o a própria vida”, afirmou Dermi Azevedo. “O caso do meu filho é escandaloso pelo fato de que, com apena

s 1 ano e 8 meses, ele ter sido levado preso comigo e com a mãe dele, e ter sido submetido às mesmas torturas que nós passamos”, relatou.
No Facebook, Dermi pediu orações a seu filho e à

u e certamente o agradecerá pela qualidade do serviço. Meu filhinho, você sofreu muito. Só Deus pode copiosamente banhar-te com a água purificadora da vida eterna.”
Em nota, o MNDH emitiu nota de solidariedade à família de Dermi Azevedo. “Hoje a ditadura militar concluiu a morte de Carlos, iniciada em tão tenra idade. Este acontecimento entristece a todos nós profundamente e fortalece nosso empenho na luta por memória, verdade e justiça, de forma que a impunidade não continue se perpetuando”, diz o texto.
Em janeiro de 2010, Carlos Alexandre foi declarado “anistiado político”, tendo direito a uma indenização de R$ 100 mil. Naquele ano, em entrevista à revista IstoÉ, ele relatou o drama vivido desde a tortura sofrida. “A indenização não vai apagar nada do que aconteceu na minha vida. Mas a anistia é o reconhecimento oficial de que o Estado falhou comigo. Para mim, a ditadura não acabou. Até hoje sofro os seus efeitos. Tomo antidepressivo e antipsicótico. Tenho fobia social.”

Fonte-Terra


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2013/02/19/morre-em-sp-homem-torturado-pela-ditadura-quando-tinha-1-ano/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *