«

»

ago. 26 2013

Imprimir Post

‘O documento final merece composição a muitas mãos’, diz Rosa Cardoso

Nos três meses em que atuou como coordenadora da Comissão da Verdade, a advogada Rosa Maria Cardoso alterou o ritmo e o rumo dos trabalhos. Ela deu mais voz para os grupos de ex-presos políticos e familiares de mortos e desaparecidos, reduziu o número de sessões fechadas e nomeou um novo secretário executivo. Paralelamente, apoiou manifestações favoráveis à reinterpretação da Lei da Anistia, oferecendo combustível a uma campanha cujo objetivo é abrir caminho para que agentes públicos que cometeram violações na ditadura sejam julgados. As posições da advogada acirraram as divergências no grupo. Nunca o mal-estar interno foi tão intenso. Às vésperas de entregar o cargo, ela falou ao Estado.

rosacardoso2

A comissão é a chance que eles têm de ver sua história contada. Sem participação efetiva dos interessados, o relatório final será diferente do que eles querem.

E o que eles querem?

Não querem o relatório de um historiador. Querem a história contada por eles. No mundo inteiro tem sido assim: os relatórios retratam graves violações de direitos humanos. Foi por isso que ampliei o número de pessoas que sentam à mesa, que abri novas possibilidades de vítimas e familiares participarem das investigações.

Vítimas e familiares devem participar do relatório final?

As pessoas estão cobrando que seja dessa forma e eu acho que o caminho não tem retorno. As vítimas, os familiares, os militantes de direitos humanos, os estudantes, comissões estaduais, grupos de apoio, todos têm condições de participar.

A visão era mais acadêmica antes de sua coordenação?

Tendia a ser. O relatório final merece uma composição a muitas mãos, com gente da academia, jornalistas, militantes.

A comissão tem 7 membros, mas atua com cinco. Atrapalha?

É muito ruim. Se estivesse com mais gente, a comissão poderia ter viajado mais. Ainda demos pouca atenção aos Estados do Norte e Nordeste.

A senhora conhece o motivo da demora nas nomeações pela presidente Dilma Rousseff?

Não. Penso que ela ficou muito envolvida com as manifestações de junho e, depois, com a visita do papa. Agora imagino que ela está dando um tempo para ver como a comissão resolve seus problemas.

Seu sucessor na coordenação, José Carlos Dias, não defende a reinterpretação da Anistia. Isso causa alguma resistência a ele?

Nenhuma. Os outros membros se dão bem com ele. Não há confronto. Ele é polido, equilibrado. Não é um destemperado.

A relação com as Forças Armadas ainda é delicada?

Completamente. Na verdade eles jamais acreditaram que a comissão fosse uma forma de estancar o debate (sobre a Anistia). Nas Forças Armadas também há muita gente capaz de compreender que, no caso de alguém que agrediu seu filho, arrancou um pedaço dele, é justo que seja submetido a Justiça.

A senhora já deixou claro que é favorável à judicialização.

Fonte- O Estado de S. Paulo


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2013/08/26/o-documento-final-merece-composicao-a-muitas-maos-diz-rosa-cardoso/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *