«

»

out. 09 2013

Imprimir Post

Movimento estudantil norteia depoimentos na Comissão Estadual da Verdade

Tiveram prosseguimento, na tarde da terça-feira (8), os depoimentos para a Comissão Estadual da Verdade, realizada no plenário da audienciacamara1Câmara Municipal. Em sessão nomeada “Teresa Urban”, em homenagem à jornalista e ambientalista falecida em 26 de junho último, foram relatados os depoimentos de participantes do movimento estudantil, bem como o legado deixado por este movimento.

O professor Milton Ivan Heller homenageou Teresa Urban, a quem descreveu como “a mais combativa e corajosa mulher brasileira que lutou contra a ditadura”. Heller relatou momentos passados pela militante curitibana, como a tortura sofrida, o exílio no Chile e o tempo que passou por um convento, sendo cuidada após sofrer com a violência física exercida pelo regime militar. “Não conseguiram destruí-la. Tinha uma fibra capaz de suportar os coices de mula da ditadura. Foi uma guerreira indomável que combateu com todas as suas energias”, destacou.

A vereadora Professora Josete (PT) salientou a história e a contribuição de Teresa Urban à sociedade brasileira. “Conhecia um pouco da história dela, mas quando convivi com ela, nos últimos três anos, meu respeito e admiração só aumentaram. Temos que registrar e prestigiar as pessoas que têm uma contribuição enorme, ainda mais em um país de grandes desigualdades. Ela lutou muito pela democracia do Brasil. Reitero minha admiração e carinho por estas pessoas que nos foram tão importantes”, afirmou. O presidente da Câmara, Paulo Salamuni (PV), também prestigiou a homenagem.

Judite Trindade

A professora aposentada da Universidade Federal do Paraná, Judite Trindade, falou sobre sua “breve militância”. Breve, segundo ela, porque foi presa tão logo começou a participar de movimentos militantes. Um ano após chegar em Curitiba, em 1968, foi presa, junto com uma amiga e outros 14 rapazes, durante um encontro que seria realizado durante um churrasco, na chamada “Chácara do Alemão”.
“Discutíamos questões do país, principalmente o que envolvia a universidade. Então, como é que chegamos a este ponto de sermos presos e me tornar tão perigosa? Éramos considerados perigosíssimos e fomos presos acusados de portar armas, que nada mais eram que facas e garfos para o churrasco. Eram armas brancas. Os policiais encontraram talheres, muita carne e tudo que faria um bom churrasco. Com certeza foram os militares que aproveitaram tudo aquilo”, descreveu.

Luiz Alberto Manfredini

O jornalistra Luiz Alberto Manfredini afirmou que seu objetivo, assim como do movimento estudantil, era “derrubar a ditadura e buscar uma nova ordem”, destacou. Segundo Manfredini, que foi amigo de Teresa Urban, também teve que se mudar por vários lugares no Brasil, após perseguições sofridas pelo regime militar.

Fonte- Câmara Municipal de Curitiba


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2013/10/09/movimento-estudantil-norteia-depoimentos-na-comissao-estadual-da-verdade/

1 menção

  1. Comissões da Verdade do Paraná realizam Audiência Pública Conjunta em Curitiba: PARANÁ TV 2ª EDIÇÃO – CURITIBA » Comissão da Verdade da UFPR

    […] Movimento estudantil norteia depoimentos na Comissão Estadual da Verdade […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *