«

»

dez. 23 2013

Imprimir Post

Ato de criação do Memorial Ico Lisboa (antigo Dopinha) – Comitê Carlos de Ré da Verdade e da Justiça do Rio Grande do Sul

    comitc3aa-carlos-de-rc3a9-no-dopinha                                  

No ato de abertura pública do antigo “Dopinha”, foi estabelecido o acordo para recuperação do imóvel que na década de ’60 abrigou um Centro Clandestino de Tortura e Desaparecimento, o primeiro da América Latina.  Falando no pátio da antiga ‘A casa’ como era chamada pelos agentes repressores, o Governador Tarso Genro do RS  e o Prefeito José Fortunatti de Porto Alegre comprometeram a parcería entre ambos entes do Estado para arcar com os custos.

dopinha1

Nos 45 anos do Ato-V, momento da abertura da garagem do CCTD, após 47 anos de ocultação.

 

No túnel secreto da entrada e nas pequenas peças sem saída, no mistério de cada rincão e no sentimento de medo, lástima e revolta que cada um sentiu, a caminhada temática para a recuperação do espaço da dor para ressignifica-lo como lugar da cultura e da memória, emocionou as mais de 400 pessoas que cantaram e se uniram com a voz dos cantautores Nei Lisboa, Nelson Coelho de Castro, Lourenço Teixeira, Carlos Hahn, Talo Pereyra e Raul Ellwanger. No curso do ato,  foi realizado um painel alusivo gigante pelo artista Latuff. O ápice da emotividade chegou com a intervenção do grupo teatral Ói Nóis Aqui Traveiz, ao entoar com ternura e garra a lista dos nomes dos desaparecidos e assassinados no antigo regime militar.

 

Nei Lisboa, Irmão do homenageado Ico Lisboa, canta junto ao Gov. Tarso e Chris Rondon, do Comitê Carlos de Ré.

Nei Lisboa, Irmão do homenageado Ico Lisboa, canta junto ao Gov. Tarso e Chris Rondon, do Comitê Carlos de Ré.

 

Na casona onde foi seviciado o  “suicidado” Sargento Manoel Raimundo Soares, no célebre caso das ‘mãos amarradas’, onde o criador da moderna boemia porto-alegrense Carlos Heitor Azevedo e a venerada jornalista e cronista social Gilda Marinho sofreram também o peso da brutalidade, reuniram-se os representantes da Assembléia Legislativa Dep.  Adão Villaverde, do Judiciario  sul-riograndense Dr. Roberto Caníbal, da Comissão Estadual da Verdade Dr. Carlos F. Guazzelli, da Secretaria Especial dos DDHH da Presidência da República, de 8 partidos democráticos, da Rede Brasil Memória-Verdade-Justiça e demais Comites Civis, das Comissões de DDHH da Assembleia Legislativa Dep. Jeferson Fernandes e da Camara de Vereadores Ver°. Fernanda Melchiona, da PGE Dr. Carlos Kaiper, do Sindicato de Advogados Dr. Marcus de los Santos, secretários de Estado e do Municipio, deputados e vereadores, agrupações juvenis, de ex-presos, cassados, anistiados e familiares de vitimas.Carlos Minhoca de Ré, presente, presente

"Carlos Minhoca de Ré, presente, presente" gritou a multidão junto ao Prefeito Fortunatti.

“Carlos Minhoca de Ré, presente, presente” gritou a multidão junto ao Prefeito Fortunatti.

 

Num lindo cenário de flores, bananeiras e cinamomos, ao som de canções sob o céu azul, puderam todos iniciar a implantação do “Centro de Memória Ico Lisboa”,  onde nascerá um espetacular Sítio de Memoria do Mercosul, comunitário, educador e interativo para que a dor se mude em nova alegria e nova vida de reconstrução democrática: para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça.

 

 

O nome proposto homenageia o militante político catarinense-gaúcho Luiz Eurico Tejera Lisboa, sequestrado e assassinado em São Paulo em 1972 e sepultado clandestinamente pela ditadura. Seu corpo foi o primeiro no Brasil a ser encontrado e identificado, sete dolorosos anos depois, no Cemitério de Perus em São Paulo, comprovando-se a partir de então a politica oficial de desaparecimento de opositores por parte do Estado brasileiro.

O nome proposto homenageia o militante político catarinense-gaúcho Luiz Eurico Tejera Lisboa, sequestrado e assassinado em São Paulo em 1972 e sepultado clandestinamente pela ditadura. Seu corpo foi o primeiro no Brasil a ser encontrado e identificado, sete dolorosos anos depois, no Cemitério de Perus em São Paulo, comprovando-se a partir de então a politica oficial de desaparecimento de opositores por parte do Estado brasileiro.

 

 

 

Assista também

 

 

 Fonte: Comitê Carlos de Ré da Verdade e da Justiça do Rio Grande do Sul.

 

 

 


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2013/12/23/ato-de-criacao-do-memorial-ico-lisboa-antigo-dopinha-comite-carlos-de-re-da-verdade-e-da-justica-do-rio-grande-do-sul/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *