«

»

abr. 23 2014

Imprimir Post

Morte de JK não foi homicídio, aponta laudo da CNV

O ex-presidente Juscelino Kubitschek e seu motorista, Geraldo Ribeiro, não foram vítimas de homicídio. Eles morreram

Foto mostra um projétil de uma arma de calibre .38 e o pedaço de metal encontrado junto ao crânio do motorista Geraldo Ribeiro quando os restos mortais do funcionário de JK foram exumados em 1996. O fragmento é uma peça metálica usada para afixar o forro do caixão. Foto: reprodução

Foto mostra um projétil de uma arma de calibre .38 e o pedaço de metal encontrado junto ao crânio do motorista Geraldo Ribeiro quando os restos mortais do funcionário de JK foram exumados em 1996. O fragmento é uma peça metálica usada para afixar o forro do caixão. Foto: reprodução

em decorrência das lesões causadas pela batida entre o Opala que transportava o presidente e um caminhão Scania, que vinha no sentido oposto da via Dutra, local do acidente, que ocorreu no município de Resende, em 22 de agosto de 1976. Esta é a conclusão da Comissão Nacional da Verdade sobre o caso, divulgada hoje (22/04), em Brasília.

Acesse aqui o 5º Relatório Preliminar de Pesquisa da CNV e leia o laudo pericial elaborado pelos peritos da Comissão Nacional da Verdade e todos os documentos que a CNV está divulgando sobre o caso.

Antes de invadir a pista Rio-São Paulo da Via Dutra, a parte traseira esquerda do Opala do presidente foi abalroada lateralmente pela dianteira direita de um ônibus da Viação Cometa quando o Opala movia-se da direita para a esquerda, causando a perda de direção do motorista, que ainda tentou retomar a direção, mas não conseguiu impedir a colisão com o caminhão. O intervalo entre a batida do ônibus e a colisão frontal com o caminhão foi de 2 segundos e foram percorridos 44 m em linha reta.

A cabeça do motorista Geraldo Ribeiro não foi atingida por um tiro. A CNV foi aos arquivos dos processos e encontrou no Museu do Tribunal de Justiça o fragmento metálico encontrado no crânio do motorista Ribeiro quando seus restos mortais foram exumados em 1996. O material foi escaneado pela Polícia Federal e trata-se do mesmo tipo de liga metálica utilizada em peça de metal usadas para afixar forros de caixões. O tamanho do fragmento é infinitamente menor que um projétil de calibre .38, por exemplo.

Não há nas dezenas de documentos, laudos, fotografias analisados pelos peritos da CNV “qualquer elemento material que, sequer, sugira que o ex-presidente JK e seu motorista, Geraldo Ribeiro, tenham sido assassinados”, afirma o relatório da CNV.

Fonte- Comissão Nacional da Verdade


QR Code - Take this post Mobile!

Faça a leitura deste código QR (Quick Response) com o seu smartphone ou tablet. O código conduzirá à URL desta página que será salva no seu o dispositivo móvel para acesso, compartilhamento e armazenamento.

Link permanente para este artigo: http://www.forumverdade.ufpr.br/blog/2014/04/23/morte-de-jk-nao-foi-homicidio-aponta-laudo-da-cnv/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *